Artigos

Sempre
Ayrton

Pelo mundo, muitas pessoas estão lembrando, neste 21 de março, aquele que seria o 58º aniversário de Ayrton Senna. Infelizmente, a sua trajetória foi interrompida aos 34 anos, naquele domingo 1º de maio de 1994, uma data que cobriu o Brasil de luto. É comum as pessoas lembrarem onde estavam naquele dia fatídico.

Prefiro recordar das suas vitórias, da bandeira brasileira, do tema da vitória e da mensagem de determinação que ele passou durante a carreira. Porém, também tenho uma história particular. Foi em 1982, no tempos em que eu cuidava da marca Pool. Certo dia, veio nos visitar um garoto tímido, acompanhado de Armando Botelho, um amigo da família que fazia às vezes do empresário dele. O garoto era Ayrton Senna da Silva. Ele tinha sido vice-campeão mundial de kart algumas vezes e campeão inglês de Fórmula Ford.

Ele já tinha traços de genialidade e estava para assinar o contrato com uma escuderia inglesa de Fórmula 3, mas o dinheiro tinha acabado. Afirmava que ia ser campeão mundial de Fórmula 1. Tinha 100% de certeza disso.

Irresponsavelmente, comprometi uma boa parte da nossa verba para a propaganda daquele ano. Embarquei no projeto. O valor que eu tenho registrado na memória é algo em torno de US$ 100 mil. Aí, no meio do contrato, o Banerj, outro patrocinador do Ayrton, caiu fora e tivemos de fazer outro aporte. Mas a essa altura eu tinha percebido que automobilismo era um grande negócio. A Pool já era top of mind. Fazia três minutos de publicidade no Fantástico todas as semanas.

Foi uma irresponsabilidade na época, claro. Hoje, posso dizer que não me arrependo. A aposta foi alta para a marca e Ayrton Senna se tornou uma lenda.

«   Voltar