Artigos

O caso
de Vitória

O termo liberdade econômica tem de se tornar o verdadeiro mote de todo brasileiro. Em minhas mídias sociais e artigos, venho falando muito a respeito de ranking dos países mais hospitaleiros ao investimento. Para a nossa infelicidade, o Brasil está sempre na rabeira. Está no pelotão de trás, com companhia de países de economia fechada e muito, muito pobres.

No caso do ranking da Heritage Foundation, são avaliados o tamanho do Estado, eficiência regulatória, segurança jurídica e abertura de mercado. Nestes quesitos, estamos muito atrás de Hong Kong, Cingapura, Nova Zelândia, Suíça, Austrália e Irlanda. Esses países formam a elite dos países com economia mais livre do mundo, entre 180 países analisados.

Ainda que precisemos de uma iniciativa nacional para mudar esse estado de atraso, é importante destacar algumas iniciativas locais. É o caso de Vitória. A  capital do Espírito Santo foi escolhida pelo ranking da revista Exame como a melhor cidade para ser fazer negócios no Brasil.

O semanário econômico destaca as iniciativas recentes da cidade para ser mais atraente a investimento, empreendedorismo e criação de empregos. Um bom exemplo é a facilidade que se tem hoje para abrir uma empresa. Há seis anos, um empreendedor precisava de pelo menos 120 dias para abrir uma empresa. Hoje, não precisava mais do que 20 dias. E a meta é baixar a 15 dias em 2020. “Nosso desafio diário é tornar a cidade amiga de quem quer empreender”, diz Luciano Rezende, prefeito de Vitória.

O mandatário vitoriense destaca a importância da tecnologia nesse embate contra a burocracia e força redobrada ao empreendedorismo. “Passamos de 5.500 empreendedores individuais formalizados, em 2012, para cerca de 20.000, em 2017”, compara o prefeito.

Ainda no final de 2018, a prefeitura prepara um edital para projetos de startups. Neste caso, essas empresas inovadoras têm de criar soluções para o serviço municipal. A ideia vem de uma parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo. Serão distribuídos R$ 1,5 milhão para os projetos mais bem fundamentados para educação, gestão e saúde.

Isso tudo é fruto da Política Municipal de Inovação. O povo da cidade, certamente, irá se beneficiar da geração de renda e criação de empregos. Muito além dos discursos e das supostas boas intenções, é desses atos concretos que as pessoas precisam. É por esta razão que Vitória é um exemplo para o Brasil. Passou da hora de tomarmos jeito.

«   Voltar